Autor: Flávio Tavares

Blogger

Mesa Dos Tronos #4 – OathKeeper

Ao vivo da mesa de comentários sobre Game of Thrones, Flávio, Mirela, João, Hodor, Vick e Leli comentam o “sonolento” Episódio 4! Oathkeeper

Nesse curto episódio: A luta sem luta de Daenerys… Jaime e Tyrion, the Kinglsayer Brothers… e começam as novas teorias sobre The White Walkers!

Tudo isso você ouve no Podcast Mesa dos Tronos #4 – Oathkeeper

Faça o download da MP3! (Clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como…)

Podcast – Mesa dos Tronos #4 – Oathkeeper

Ou, baixe o Podcast no iTunes! Clicando aqui!

Gostou? Deixe o seu comentário!

Mesa dos Tronos #3 – Quebra de Correntes

Dessa vez no estúdio do skype, Flávio, Alex, Chamun e João comentam o Episódio 3 da quarta temporada de Game of Thrones! Quebra de Correntes

Nesse episódio conheça: Mindinho, o Creepy… As incríveis aventuras de tirar dinheiro no cheque-especial de Westeros… Jon Snow virando líder militar… E saiba como Daenerys Stormborn está liderando o circo de Easteros!

Tudo isso você ouve no Podcast Mesa dos Tronos #3 – Quebra de Correntes

Faça o download da MP3! (Clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como…)

Podcast – Mesa dos Tronos #3 – Quebra de Correntes

Ou, baixe o Podcast no iTunes! Clicando aqui!

Gostou? Deixe o seu comentário!

Mesa Dos Tronos #2 – O Leão e A Rosa

#2-LeaoRosa

Flávio, Vick, Mirela, João, Chamun e Letícia comentam o Episódio 2 da quarta temporada de Game of Thrones! O Leão e a Rosa

Conheça as nossas teorias sobre mais um casamento que foi pro saco… Para onde estão indo os Baratheons… Tente entender onde fica Castle Black, já que ninguém chega lá… E saiba como Bran Stark vai encontra Daenerys depois de dar a volta no mundo!

Tudo isso você ouve no Podcast Jogo das Cadeiras #2 – O Leão e a Rosa

Faça o download da MP3! (Clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como…)

Podcast – Jogo das Cadeiras #2 – O Leão e A Rosa

Gostou? Deixe o seu comentário!

Crítica: Homem de Aço

OBS: Esse vídeo não tem spoilers, então fiquem tranquilos se vocês ainda não assistiram o filme.

Resumindo:

Podemos dizer que foi um filme que funcionou. As pessoas estão saindo satisfeitas e contentes com o filme, o hype para uma continuação está aumentando. E para os fãs de Superman é sempre incrível ve essa história na tela e de um jeito tão legal e interessante quanto o Snyder fez foi uma ótima sensação.

Uma última consideração… Encare essa obra como um filme de Ficção Científica, não tanto quanto um filme de super-heróis – história em quadrinhos. Parece estranho falar isso do Superman, mas sim é verdade. Essa foi uma nova abordagem dada ao filme, focada mais no aspecto sci-fi, que tem tudo a ver com o universo mostrado no filme.

Crítica: Lincoln

Lincoln-Poster

Ao contrário de O Resgate do Soldado Brain, Steven Spielberg deixa a guerra de lado e nos mostra a outra face. O lado político e pessoal dos últimos anos da vida de Abraham Lincoln. O famoso diretor também deixou todo o trabalho nas mãos dos ótimos atores, que desenvolveram personagens incríveis dentro de um filme bastante devagar.

Não que seja o resultado final tenha ficado ruim, muito pelo contrário. A obra pede esse ritmo, mas isso as vezes isso transparece para o espectador quase como “preguiça” do diretor, em termos de montagem e movimento de câmera. Por outro lado, a direção de atores foi impecável.

Agora, o filme se torna ótimo, quase indispensável, a todos que gostam de cinema (e história) para vermos Daniel Day-Lewis e Tommy Lee Jones na grande tela. Vale o destaque também para James Spader e Joseph Gordon-Levitt em papéis secundários, que formam este grande elenco – em tamanho e principalmente qualidade.

Daniel D. Lewis é a minha indicação no Oscar 2013. Melhor Ator

Tommy Lee Jones, também é meu favorito para Ator Coadjuvante em 2013

Tommy Lee Jones, também é meu favorito para Ator Coadjuvante em 2013

Com a Palavra, Ronald Rios #1 – Computadores, Pinkerton e Sonhos (Im)Possíveis

Como seria a nova abordagem do axé por Ronald Rios? O que esperar do ChatRoulette? Pinkerton?! Entenda o drama do sonho (im)possível de Ronald. Saiba também como proteger seu sacolé e um conselho sobre o uso incorreto de pasta de dente.

Tudo isso você ouve no Podcast Com a Palavra, Ronald Rios #1!

Ouça no Player abaixo ou faça o download da MP3! (Clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como…)

Podcast – Ronald Rios #1

Gostou? Deixe o seu comentário!

Injustiça no Oscar 2012: Andy Serkis e o seu estilo de atuar

Andy Serkis foi responsável por ótimas atuações nos últimos anos. Ao contrário de outros atores, Serkis não mostra (claramente) seu rosto. Ele utiliza personagens feitos com computação gráfica, o famoso CGI.

Seu trabalho ganhou reconhecimento após interpretar Gollum (Smeagol) na fantástica trilogia O Senhor dos Anéis. A riqueza de detalhes, maneirismos e interpretação do personagem foi de tirar o fôlego, fazendo com que Gollum fosse eleito por muitas pessoas como o melhor personagem de CGI de todos os tempos.

Depois foi a vez de ser o responsável por interpretar King Kong, no remake dirigido pelo seu amigo Peter Jackson. Nesse papel, Serkis foi mais sóbrio mas mesmo assim traduziu a imponência do “monstro”. Já o filme não foi lá essas coisas, mas isso não vem ao caso.

Em 2011, Serkis fez o macaco César no excelente filme Planeta dos Macacos – A Origem. Aí sim, o impacto do seu trabalho foi grande. As pessoas começaram a se perguntar se um personagem de computação gráfica poderia competir contra um ator convencional. E é claro que pode!

Mesmo assim, a Academia responsável pelo Oscar resolveu ignorar a incrível performance. Outros prêmios fizeram a mesma coisa e César ficou de fora dos principais festivais de cinema. Porquê? Por puro preciosismo saudosista dos críticos. Afinal as novas tecnlogias estão aí para serem usadas e reconhecidas!

Faço aqui uma menção honrosa ao injustiçado Andy Serkis. Ele poderia tranquilamente estar figurando entre os indicados a Melhor Ator Coadjuvante, ou até mesmo a Melhor Ator (Veja aqui o comentário sobre os verdadeiros indicados). Pois ele conseguiu tirar a atenção do ator principal, James Franco, e conseguiu atrair uma grande responsabilidade para sí.

Há quem diga que sua interpretação foi superestimada e até muito emotiva para um chimpanzé; mas é inegável que a atuação foi surpreendente e é isso que devemos prestigiar.

É realmente incompreensível essa teimosia dos festivais em não considerar a captura de movimento como uma forma de arte dentro do cinema. Espero que isso mude… e logo!