HQs

O Grande Capitão Marvel… da DC!

Sabia que o Capitão Marvel é da DC Comics? Isso mesmo. Pode não fazer sentido. Por isso devemos conhecer mais da história do ‘grande campeão’ que fez história no universo dos Quadrinhos. Unindo a sabedoria de Salomão, a força de Hércules, o vigor de Atlas, o poder de Zeus, a coragem de Aquiles e a velocidade de Mercúrio! Shazam!

Capitão Marvel teve sua primeira aparição em fevereiro de 1940 na Whiz Comics #2. Foi criado por C.C. Beck e Bill Parker e foi publicado pela Fawcett Comics. Esse personagem chegou aos quadrinhos na primeira ascensão do gênero, a Era de Ouro, depois do rápido sucesso de Superman e Batman. Mesmo assim, o futuro desse interessante super-herói estava condenado.

Billy Batson era um jovem garoto que trabalhava como jornalista em uma rádio. Ele foi escolhido pelo mago Shazam para ser o defensor do bem no mundo. Toda vez que Billy clamava pelo nome de seu mentor ele era atingido por um raio que o transformava no Capitão Marvel. De um garoto adolescente, se transformava em um homem adulto com cabelos negros portava, portando uma grande força e capaz de voar! Vestia um uniforme vermelho com um raio amarelo em seu peito e uma capa branca. Seu principal inimigo era o careca Dr. Silvana, um cientista maluco com uma grande inteligência, que tentava dominar o mundo com seus planos maldosos.

“Sim”. Seus poderes, sua motivação e inclusive seu arqui-inimigo. Soa familiar. Agora já deve estar ligando os seus diversos atributos e sua história com o do famoso carro chefe da DC ComicsSuperman.

Sua origem e poderes chamou muito a atenção do público alvo das HQs na década de 40/50: as crianças. O fato de ser um ser uma criança, um ser humano que possuía um trabalho honesto e se transformava em um grande herói para salvar o mundo criou uma forte identificação com o público. Uma identificação que faltava em Superman pelo fato de ser um alienígena, mesmo que este lutasse pelos ideais americanos. Por esses motivos, o personagem foi um sucesso e chegou a liderar as vendas de revistas em quadrinhos, ultrapassando, inclusive, o Superman.

Isso fez com que a líder de mercado National Comics (futuramente renomeada como DC Comics) encararasse o fato como uma ameaça. Começou então uma batalha entre Superman e Capitão Marvel nos tribunais. Um processo jurídico que durou 12 anos, nos quais os dois personagens se dividiam a liderança do gosto popular.

Em 1951, foi decretado que a Fawcett Comics infrigiu o copyright do Superman. A editora, então, perdeu os direitos de publicação de Capitão Marvel, os personagens que faziam parte desse universo e foi obrigada a pagar uma multa de 400 mil dólares (imagina o que são 400 mil dólares na década de 50… é…). Sem seu grande sucesso de vendas, demorou dois sofridos anos para que a empresa oficialmente fechasse suas portas e declarasse falência. Nesse meio tempo, a National Comics comprou os direitos de Capitão Marvel e manteve o personagem na geladeira por muito tempo.

Já como DC Comics, em 1972, o capitão voltou a ser publicado, mas dessa vez passou longe do sucesso. Acabou amargurando as histórias ‘classe B’ da editora. Não amadureceram o personagem com o tempo e nunca o incluíram em grandes aventuras como as de Lanterna Verde, Flash ou até mesmo Batman e Superman. O caráter da história continuou infantil, enquanto o público já tinha mudado, causando um impacto de relacionar o personagem a aventuras inocentes demais.

Mesmo assim, no início da década de 80, a NBC produziu o desenho animado do herói “Kid Superpower Hour with Shazam!” ou para nós “Os poderosos Marvel”. No Brasil foi exibido pela saudosa Rede Manchete e posteriormente pelo SBT, onde contava as aventuras do menino/herói em um ambiente familiar – Como é possível ver abaixo na abertura do seriado. A série conseguiu uma boa audiência no Brasil, o que fez o personagem ser lembrado até hoje, principalmente por sua aparição na televisão.

Liga da Justiça #1 e o Reboot da DC Comics

Hoje foi uma data histórica para o universo dos quadrinhos. Foi lançado Liga da Justiça #1, dando início ao novo universo da DC Comics. Após muitos protestos dos fãs e elogios de outros, a tentativa de dar uma nova sequencia lógica no meio da bagunça de infindáveis mundos alternativos já tem um resultado.Um ótimo resultado! Quer saber mais sobre essa nova hisória, leia mais abaixo!

Muitos filmes, muitas histórias, muitos universos paralelos. Confundem bastante. Eles também divertem bastante com diversas possibilidades. Talvez fosse realmente hora de inovar.

Aproveitando o ‘hype’ da popularidade dessa cultura pop, a DC Comics, a maior e mais tradicional empresa de HQ’s (me desculpem filhos do Stan Lee), veio com uma nova proposta para atrair novos leitores. Vamos lembrar que Superman tem 73 anos de história e o Batman 72. Mesmo os grandes fãs, quem tem tempo de ler tudo isso? É verdade que gosto de muitas coisas do passado, mas estou muito empolgado com esse novo reboot porque certamente irá dar mais assuntos pra discussão e vai nos entreter por mais muitos anos.

Nada melhor que começar com a tão famosa Liga da Justiça! A história é curta, porém é inevitável que spoilers sejam comentados. Dado o recado, vamos lá.

Escrito por Geoff Johns, tem Jim Lee como desenhista chefe de ilustrações. A história começa em um mundo onde os super-heróis ou são odiados ou desconhecidos pelo grande público. Essa definição se junta com a de vigilantes, criminosos que lutam contra criminosos. Uma perseguição de helicopteros começa em Gotham, perseguindo dois rapazes encapuzados.Nada melhor que começar com o homem morcego! Na dificuldade de perseguir um inimigo e ser alvejado por tiros ao mesmo tempo, ele conta com uma ajuda, mesmo que ele não tenha pedido. Aliás, Batman está muito sarcástico e hábil, como sempre!

Lanterna Verde vai a Gotham pois recebeu um alarme de invasão alienígena, sem autorização da tropa dos Lanternas. Os dois se ajudam e se apresentam, mas ainda estão longe de ser amigos. “Pare de brilhar um pouco, ou coloque um alvo na sua cabeça! Brilhando desse jeito você vai nos tornar um alvo fácil!”

Depois de algumas alfinetadas, Hal Jordan está se achando mais do que nunca! Um completo idiota! Isso pode ser uma pista do porquê há rumores que Sinestro tomará o lugar como segurança do Setor 2814. O único momento que ele ‘cai do salto alto’ é quando o Batman rouba o seu anel sem ele notar. Sensacional! Ao falar que o inimigo é um alienígena, o assunto é remetido a um outro caso parecido mas até então controlado. Isso acontece em uma cidade chamada Metropolis!

Superman agora veste uma nova roupa sem a cueca por cima da calça. Isso é um resumo dos novos traços modernos da DC Comics. Apesar de ser muito sujo em alguns momentos, particularmente gostei bastante desse traço e das cores feitas por Scott Williams.

Voltando a história, há um jogador que está impressionando todo mundo com uma força incomum nas partidas de futebol americano. Pela semelhança física podemos dizer que é Ciborgue, que chega em uma versão adolescente e que seu pai sabe segredos sobre os super-heróis. Superman vive em um local recluso no meio de Gotham. Nada sabemos sobre sua vida fora do disfarçe. Para fechar o post, queria comentar a última cena. Lanterna Verde tomou uma porrada do Superman de dar gosto. Batman, sempre atento consegue desviar.

A versão digital em inglês está disponível por $4,99. É compatível com iPad  iPhone pelo mesmo preço. Segundo a Panini, fornecedora oficial da DC aqui no Brasil, para variar, ainda não há previsão de tradução.

Você já leu a revista? É completamente contra o novo reboot? Tem alguma opinião? Comente aqui!

Cemetery Girl… Próxima Sookie ou Buffy?

Charlaine Harris irá escrever a sua primeira HQ. Ela é mais conhecida por ter escrito os livros da saga The Southern Vampire Mysteries (As Crônicas de Sookie Stackhouse) que gerou o seriado True Blood da fantástica HBO. Para essa nova empreitada ela se juntou com Christopher Golden, outro escritor norte-americano reconhecido pela sua linha gore (terror, vampiros, etc…) publicando vários livros e inclusive já tendo experiência em produção de outras HQs. Também já escreveu e colaborou com diversos livros da Buffy, a caça vampiros que surgiu antes da nova moda.

Em entrevista a NBC, Charlaine Harris já descreveu a personagem principal como “uma mulher que se descobre morando num cemitério, sem memórias, mas com a sensação bem clara de uma misteriosa ameaça pairando sobre si”. Por essa declaração podemos deduzir que a série irá manter a fama sobrenatural dos dois.

O que esperar desse encontro? Bom, pela primeira olhada no retrospecto… Vampiros! Mesmo que seja de maneira mais abrangente, Cemetery Girl deverá entrar no mundo do horror, com uma certa abordagem romântica. Certamente outros tipos de assombrações irão ter destaque, mas acho difícil que algum deles irá renegar o seu passado que rendeu repercussão para ambos.

A Editora Penguim será responsável pela publicação e até agora nenhum ilustrador foi contratado. A previsão de lançamento em 2012 nos Estados Unidos.

 

Links:

Seriado da HBO, True Blood: http://www.hbo.com/true-blood/index.html

FVZA – Vampiros e Zumbis sendo aniquilados!

Um quadrinho que enfrenta criaturas malignas numa época de tanta adoração por Vampiros e Zumbis. BRING IT!

A FVZA: Federal Vampire and Zombie Agency (ou Agência Federal contra Vampiros e Zumbis) por mais estranho que pareça, foi uma instituição do governo americano que realmente existiu. É baseada nela que a Radical Comics lançou a HQ que leva o mesmo nome. FVZA.

Criada pelo grande David Hine – conhecido por escrever para Homem Aranha, Spawn, Demolidor, Batman e roteirista da saga X-Men: Civil War – foi ilustrada pelo não tão conhecido Roy Allan Martinez.

A história é contada nos tempos atuais onde a agência ainda funciona e o Dr. Hugo Pecos (personagem real) treina seus dois netos a serem agentes militares, especializados em lidar com vampiros e zumbis. Criaturas que foram ameaças por toda história e que haviam sido quase exterminadas há tempos atrás. Seu neto Vidal o questiona seguidamente, pois nunca havia visto nada desse tipo. Já sua neta Landra leva seu trabalho muito mais a sério e isso a leva a liderar uma equipe da FVZA. Um grupo de poderosos Vampiros ameaçam a humanidade, anunciando que estão em posse do mortal ‘vírus zumbi’.

A premissa da história parece fraca, pois estamos numa fase onde vampiros e zumbis já estão esgotados. Mas o que é interessante é a seriedade com que a história é conduzida. Essas criaturas são encaradas como ameaças a segurança nacional.A explicação científica com que eles apresentam os inimigos é crível e conseguimos embarcar na aventura. É uma série de apenas três edições, mas que diverte bastante. O ponto fraco eu aponto na parte visual. Mesmo tendo imagens realmente impressionantes, o traço geral parece que aplicaram uns 30 filtros de blur, o que perde um pouco do traço empolgante dos quadrinhos.

Resumindo: para quem se interessa por esse assunto é altamente recomendável a leitura. E seria interessante conhecer também a real: Federal Vampire and Zombie Agency.

Links:

A Ex-Agência: http://www.fvza.org/

Reportagem com Dr. Hugo Pecos, falando sobre a Agência: http://www.youtube.com/watch?v=vHbngpHfPJ8

Radical Comics: http://www.radicalpublishing.com/