Seriados

O incompreendido seriado Carpoolers

Hoje eu gostaria de falar sobre o seriado Carpoolers. Uma comédia da ABC que infelizmente não deu certo. Motivo do cancelamento? Como sempre, audiência. Mas como Arrested Development também foi cancelado por audiência, isso não quer dizer que não foi uma boa sitcom. A questão é que Carpoolers não teve necessariamente um público alvo. É uma comédia familiar mas que explora basicamente o universo masculino, das mentiras e humor que se tem com amigos. Como ele é bem leve no conteúdo, não teve muito apelo.

A história é muito simples. Quatro vizinhos que vão juntos para o trabalho todo dia de carona, e como diria o narrador da Tela Quente: “Essa turma vai se meter em muitas confusões”. São típicas histórias de personagens normais e que podemos, facilmente, nos relacionar. Acompanhamos a vida de quatro amigos que estão lidando com situações do dia-a-dia….

Os amigos são: Gracen (Fred Gross – Agora fazendo um papel secundário em Free Agents), um mediador sensato e inseguro, casado e com um filho adulto que ainda não amadureceu, Marmaduke (T.J. Miller – O câmera de Cloverfield). Completando os caroneiros, temos Laird (Jerry O’Connell), o dentista malandro e conquistador; Aubrey (Jerry Minor), o estressado e atrapalhado pai de 6 filhos; e o recém casado e novato no sistema de carona, Dougie (Tim Peper).

O legal é que a série nos coloca bastante dentro da história, e nos consideramos parte daquela carona. Existem também diversas relações musicais, eles discutem sobre bandas, músicas, letras, danças… Para quem curte essas coisas, vai captar várias referências bem divertidas.

Eu adoro humor mais satírico, ácido, e quase ‘ofensivo’ – por exemplo: Family Guy, Monty Python, South Park, Arrested Development… – mas acho que há espaço para comédias cotidianas. Assim como Seinfeld. Não comparando a qualidade do seriado, mas o seu conteúdo.

Resumindo: Alugue ou compre o DVD, porque vale a pena! Ou baixe na locadora bittorrent. Wathever. Fica aí a sugestão de uma ótima comédia para passar o tempo.

The Walking Dead: Estréia da 2a Temporada

Estava com muito receio. Muito mesmo. Acompanhei bastante toda a complicação que aconteceu com a série após seu encerramento no final de 2010. Pra quem não sabe, Frank Darabont, criador e produtor da série, decidiu que usaria apenas escritores free lancers para ajudar na produção da segunda temporada e demitiu toda sua equipe de roteiristas que trabalhou duro na adaptação da primeira temporada.

Foi um choque para muitos em Hollywood, mas Darabont (Diretor de A Espera de Um Milagre) assumiu toda a responsabilidade e manteve sua opinião. Houveram também alguns rumores na mudança de elenco, que poderia tirar muita da credibilidade de uma série de um canal Premium (assim como a HBO). No caso, Jon Bernthal – que interpreta o melhor amigo do xerife – poderia sair da série por problemas não divulgados.

Não achei um ótimo início de tempora; achei apenas bom. Apesar de tudo, alguns detalhes construídas nesse episódio possa render muita coisa no futuro. O final que foi realmente surpreendente e chocante! Quase desesperador… Ótimo! Mais chance temos de ver as coisas mudando de episódio em episódio. Fico feliz de perceber abandonaram a tentativa de focar no combate aos zumbis e voltarem para as relações humanas no meio do desastre como esse.

Ponto importante é que a produção dos zumbis está melhor do que nunca. Acho que nem em filmes do gênero temos tamanha qualidade. Os produtores ficaram tão orgulhosos que agora temos mais closes em zumbis. Isso acompanha todo o visual gore do seriado, inclusive vimos como é um walker por dentro, naquela autópsia forçada no meio do episódio. A história teve diversos ápices de tensão e muitas cenas claustrofóbicas, mas faltou um pouco de direção para não tornar as cenas longas e cansativas, como muitas delas foram.

Apesar de tudo, vale muito a pena acompanhar a série para ver onde essa jornada pode nos levar… e pode nos levar longe, muito longe.

Comentário a parte: PARABÉNS FOX! É tão bom ver quando um canal brasileiro se empenha em criar uma cultura de assistir a série na TV. Eu assisti pela FoxHD e pude escolher entre ver dublado e legendado. Após assistir o primeiro bloco em portugues, escolhi pela legenda pois a dublagem não me convenceu. Achei que o som do diálogo ficou baixo e os diálogos não me pareceram convincentes. O bom é que temos escolha de assistir como quisermos.

Review: As primeiras temporadas de Bored to Death

Como previsto no cartaz promocional, Bored to Death é uma comédia/noir. Um escritor com leves problemas de criatividade, além do abuso de drogas e álcool, tenta se reencontrar após o termino de um relacionamento. Misturando elementos de comédia no estilo HBO e aventuras policiais no estilo noir dos anos 50, o resultado é uma grande série que chegará a sua terceira temporada em outubro.

Leia mais

True Blood merece comentários

Chegamos ao meio da quarta temporada de True Blood e as coisas mais uma vez viraram de cabeça para baixo. Faltam mais seis episódios e pode-se esperar muita ação, sangue e, tratando-se de HBO, sexo. Já estou cansado de falar que a HBO é um selo de qualidade. Nunca vi um seriado não ser criativo, ser mal produzido ou ter péssimos atores. Isso é algo que nós não veremos tão cedo no canal Premium da TV a cabo.

Leia mais

Arrested Development: O Filme?

Depois de tanta espera o filme do Arrested Development começa a se projetar pra valer. Sempre será hora de rir com a família Bluth, mas será que agora vai? Entenda mais da série, saiba o motivo do cancelamento e a projeção para o tão esperado filme.

“Apenas uma vez na história vem um seriado como Arrested Development” Entertainment Weekly

Arrested Development foi uma sitcom da Fox exibida de 2003 a 2006. Foram três temporadas, que para uma série normal/mediana até poderia ter sido considerado um sucesso, ainda mais sendo exibida na Fox, uma das mais severas em termos de avaliação e continuação de atrações na televisão. Enfim, para esta sitcom, especificamente, foi pouco. Muito pouco.

Os fãs ainda hoje se perguntam o motivo do cancelamento, explicado pelos baixos índices de audiência. Talvez Arrested Development foi uma série antes do seu tempo. O humor sutil e irônico nunca havia sido visto na televisão. Falamos de 2006, quando estávamos sentindo a falta do humor de Seinfeld e vivendo uma febre de Friends. Analisando o contexto era de se esperar que não fosse aproveitado todo seu potencial. O certo é que a Fox nunca deu o suporte necessário de marketing para que o sucesso chegasse.

Passado o momento de revolta pela série não ter tido 23 temporadas, como eu gostaria, falemos do tão esperado e ainda nebuloso filme.

Desde o último episódio e a confirmação que o seriado não voltaria, os rumores da construção de um filme estão no ar. A espera é longa. Em 2008, Mitchell Hurwitz falou que o filme estava ¼ escrito. Todos os atores, quando perguntados dizem que adorariam reunir a equipe mais uma vez para relembrar os velhos tempos. Em 2010, metade do filme já estava pronto e as conversas de produção já haviam começado.

Um problema que vejo nisso seria o recrutamento dos atores. Será que haveria investimento suficiente para trazer todo mundo de volta? Vamos listar:

Jason Bateman é George Bluth, o personagem principal. Depois de A.D. ele conseguiu bons papeis em filmes como Amor sem Escalas, Encontro de Casais, Juno, Hancock, Ressaca de Amor, enfim, antes disso ele havia feito apenas filmes para televisão.

Quem também foi do anonimato para a fama é o jovem Micheal Cera (Juno, Scott Pilgrimm vs. O Mundo, Superbad e Ano Um.) Além disso temos o ex-Saturday Night Live, Will Arnet. O comediante David Cross (Todo Mundo em Panico 2, Alvin e os Esquilos 1 e 2, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças). No comando da família Bluth, temos o experiente Jeffrey Tambor. O diretor Ron Howard (Cocoon, Anjos e Demonios, Apolo 13, Uma Mente Brilhante) foi narrador e virou co-produtor da série.

Agora o site imdb já projeta o filme para 2012. Segundo entrevistas, o filme está em fase final de roteirização e que a partir disso eles poderiam começar a negociação e pré-produção. Etapas burocráticas, mas necessárias. Enfim, iremos esperar muito mais? Depois das entrevistas podemos dizer que não. Mas tratando-se de Arrested Development, tudo de complicado ainda pode acontecer. Os fãs esperarão (como sempre) ansiosos pelo filme.

E se você é louco por comédia e ainda não viu a série. Veja urgentemente!